Sonhos Proibidos

This book list for those who looking for to read and enjoy the Sonhos Proibidos, you can read or download Pdf/ePub books and don't forget to give credit to the trailblazing authors. Notes some of books may not available for your country and only available for those who subscribe and depend to the source of the book library websites.

Réquiem

Réquiem Pdf/ePub eBook Author: ,
Editor: Terracota Editora e Serviços LTDA
ISBN: 8562370460
FileSize: 1357kb
File Format: Pdf
Read: 1357

GET EBOOK

Réquiem by , Summary

Ivan G. vive em um mundo regido pelo Governo Mundial. Um dia, recebe uma carta informando que todos os cidadãos estão proibidos de sonhar, para que isso seja possível, deverão tomar o Réquiem - um comprimido que irá inibir os sonhos. Uma noite, Ivan G. se esquece de tomá-lo e acaba cometendo o crime, o que o fará ter a vida virada do avesso por uma trama internacional, que envolve a batalha opressora do Governo contra os resistentes sonhadores.

Sonhos Proibidos

Sonhos Proibidos Pdf/ePub eBook Author: Lesley Pearse
Editor: Leya
ISBN: 9892321502
FileSize: 1515kb
File Format: Pdf
Read: 1515

DOWNLOAD

Sonhos Proibidos by Lesley Pearse Summary

Londres, 1910. Belle tem quinze anos e uma vida protegida. Graças aos cuidados da ama, ela nunca se apercebeu de que a casa onde vive é um bordel, regido com mão de ferro pela sua mãe. Porém, a verdade encontra sempre maneira de se revelar... Para Belle, será no trágico dia em que assiste ao assassinato de uma das raparigas da casa. Ingénua e indefesa, ela fica à mercê do criminoso, que a rapta e leva para Paris, onde se inicia como cortesã. Afastada do único lar que conheceu, a jovem refugia-se nas memórias de infância e acalenta o sonho de voltar aos braços do seu primeiro amor, Jimmy. Mas Belle já não é senhora do seu destino. Prisioneira da sua própria beleza, é alvo do desejo dos homens e da inveja das mulheres. Longe vão os anos da inocência e, quando é levada para a exótica e decadente cidade de Nova Orleães, ela acaba por apreciar o estilo de vida que o Novo Mundo tem para lhe oferecer. Mas o luxo e a voluptuosidade que a rodeiam não mitigam as saudades que sente de casa, e Belle está decidida a tomar as rédeas da sua vida. Um sonho que pode ser-lhe fatal pois há quem esteja disposto a tudo para não a perder. No seu caminho, como barreiras fatais, erguem-se um continente selvagem e um oceano impiedoso. Conseguirá o poder da memória dar-lhe forças para sobreviver a uma viagem impossível?

Um Coração, O Espelho De Muitos

Um Coração, O Espelho De Muitos Pdf/ePub eBook Author: Giovane Silva Santos
Editor: Clube de Autores
ISBN:
FileSize: 1365kb
File Format: Pdf
Read: 1365

DOWNLOAD

Um Coração, O Espelho De Muitos by Giovane Silva Santos Summary

SINOPSE 90º edição de livrinho de bolso, UM CORAÇÃO, ESPELHO DE MUITOS, trata se de um contexto de 21 poesias, cotidianamente fala reflexivas a esse grau, com uma pintada na majestade sociedade profunda em aspectos contundentes, que haja sensibilidade no entendimento de tal maneira adentrar convenientemente a mistérios existentes.

ExistÊncia [ V ]

ExistÊncia [ V ] Pdf/ePub eBook Author: L.Felipe
Editor: Clube de Autores (managed)
ISBN:
FileSize: 815kb
File Format: Pdf
Read: 815

DOWNLOAD

ExistÊncia [ V ] by L.Felipe Summary

Um registro das pesquisas realizadas, encadeando os principais fatos que marcaram a história do século XX, com o foco na cronologia dos eventos, resumindo seus aspectos mais importantes, dessa que é a quinta parte complementar da obra.

A Promessa

A Promessa Pdf/ePub eBook Author: Lesley Pearse
Editor: Leya
ISBN: 9892324730
FileSize: 1672kb
File Format: Pdf
Read: 1672

DOWNLOAD

A Promessa by Lesley Pearse Summary

No início de julho de 1914, a Europa vive os seus últimos dias de inocência. A jovem Belle realizou os seus sonhos. A uma infância pouco comum seguiram-se anos dramáticos, ao longo dos quais quase cedeu ao desespero. Mas a sua coragem e determinação prevaleceram. A sua vida é agora feliz. Está casada com Jimmy, o seu primeiro amor, e conseguiu abrir a elegante loja de chapéus que sempre desejou. Mas a História do mundo está prestes a mudar. A I Guerra Mundial vai arrastar consigo milhões de pessoas. Belle e Jimmy abdicam de tudo para defenderem o seu país. São ambos destacados para França, onde Jimmy vai arriscar a vida nas trincheiras e Belle conduz uma ambulância da Cruz Vermelha. É um tempo de devastação sem precedentes em que sobreviver a cada dia representa uma vitória. E é quando o passado menos ocupa os seus pensamentos que Belle será obrigada a confrontá-lo pela derradeira vez. Bastará um momento. Um homem. Um olhar. Entre a luta pela sobrevivência, uma paixão proibida e a lealdade devida a um grande amor, Belle está perante uma escolha impossível. Mas ao viver na pele um dos mais sangrentos conflitos da História, terá ela poder sobre o seu destino? A Promessa é a continuação da história de Belle, a inspiradora heroína de Sonhos Proibidos.

Diona E O Amor

Diona E O Amor Pdf/ePub eBook Author: Barbara Cartland
Editor: Barbara Cartland EBooks ltd
ISBN: 1788673441
FileSize: 1599kb
File Format: Pdf
Read: 1599

DOWNLOAD

Diona E O Amor by Barbara Cartland Summary

Diona uma bela jovem sonhadora, com sonhos puros de adolescente, o de encontrar um amor perfeito, maravilhoso e para sempre, caindo nos braços do herói mais belo e fascinante do mundo… era tudo o que ela mais queria, mas esses eram sonhos proibidos para Diona! A sua realidade era muito diferente, era ser maltratada pelo seu tutor, um homem cínico, rude e insolente, que a destinava a um casamento falso por interesse com um repugnante e desprezível Lorde seu conhecido. Foi então que, numa noite de luar, Diona decidiu pegar no seu querido cão Sirius, e fugiram juntos da sua mansão, e arriscando, foram bater à porta do jovem Marquês de Irchester, para pedir ajuda e proteção… será que esta coragem iria leva-la a um lugar inesperado e perfeito? Seria ela a heroína dos seus próprios sonhos? Será que ela iria descobrir o amor disfarçado, mesmo ao seu lado? Esta aventura ira mudar a sua vida para sempre… ,

Poemas & Sonhos

Poemas & Sonhos Pdf/ePub eBook Author: Rosaura
Editor: Clube de Autores (managed)
ISBN:
FileSize: 618kb
File Format: Pdf
Read: 618

DOWNLOAD

Poemas & Sonhos by Rosaura Summary

Os poemas escritos nesse livro captam o tempo passado entre neblinas, descrevem palavras para um amor findado que por mais amor existido não venceu as barreiras impostas pela vida e assim, quando não temos coragem de dizer coisas importantes ao ser amado preferimos escrever do que falar, enfim tudo é parte da atmosfera um dia vivida, do sorriso um dia nocauteado do beijo roubado, do carinho que faltou, da angústia e da felicidade do primeiro beijo. Rosaura Batista.

A Magia Que Se Desfez Na Noite

A Magia Que Se Desfez Na Noite Pdf/ePub eBook Author: Marcos Avelino Martins
Editor: Clube de Autores (managed)
ISBN:
FileSize: 859kb
File Format: Pdf
Read: 859

DOWNLOAD

A Magia Que Se Desfez Na Noite by Marcos Avelino Martins Summary

“A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE” é o 17º livro publicado pelo autor, juntando-se a: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS; 2. PÁSSARO APEDREJADO; 3. CABRÁLIA; 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI; 5. SOB O OLHAR DE NETUNO; 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE; 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO; 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE; 9. EROTIQUE; 10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ; 11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE; 12. EROTIQUE 2; 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU; 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA; 15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA); 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU. Alguns trechos da poesia lírica, romântica, sensual e surpreendente de Marcos Avelino Martins: “Leve-me em seu coração, / Por onde quer que for, / Mesmo que não haja paixão / Ou nem mesmo amor... Eu só quero estar com você, / Em minha última fantasia, / De que importa se ninguém nos vê, / Se você só existe em minha Poesia?” “As milhares de estrelas que vejo / Brilhando em teu infinito olhar / Acendem-me o irrefreável desejo / De em teus olhos navegar… / E nessas expedições oculares, / Um milagre pode acontecer, / Se meu amor enfim enxergares / Antes dele desaparecer...” “Eu não tinha esses sulcos no rosto, / Nem essa dor estampada nos espelhos, / Pois ninguém jamais havia posto / Tanta tristeza em meus olhos vermelhos... / Eu não tinha essas tatuagens invisíveis, / Nem mesmo esse cansaço aparente, / Que mostra aos meus olhos sensíveis / A decadência refletida à minha frente...” “Sendo tão diferentes, como é possível / Que eu ache você assim tão incrível, / Diga-me por favor como é que pode / Quando estamos juntos e essa paixão explode?” “Ah, o amor! / Às vezes eterno, / Em outras, inferno... / Às vezes mágico, / Em outras, trágico... / Às vezes contido, / Em outras, bandido... / Às vezes lúdico, / Em outras, impúdico... / Às vezes doçura, / Em outras, grossura... / Às vezes eufórico, / Em outras, meteórico... / Às vezes inocente, / Em outras, inclemente... / Às vezes cúpido, / Em outras, estúpido... / Às vezes denso, / Em outras, imenso...” “Cada vez que invado teu espaço aéreo, / E bombardeio as tuas parcas defesas, / Ainda bem que não levas a batalha a sério, / E tripudias de minhas poucas certezas!” “Meu mundo era repleto de magia, / Pássaros cantavam pelas ravinas, / Anjos voavam em sua companhia, / E o vento soprava pelas esquinas… / Uma brisa refrescava as madrugadas, / As noites eram um palco para o luar, / A chuva caía e molhava as calçadas, / Navios fantasmas surgiam do mar...” “Se é assim que você quer, / Usarei minha lâmpada mágica, / E desligarei a luz do luar! / Depois, a culpa será sua, / Pela confusão que vier, / Por essa decisão trágica / Que nunca se deveria tomar / De fazer sumir a luz da Lua…/ … / Se é assim que você quer, / Por certo conseguirei esquecê-la, / Mesmo que o seu perfume / Ainda esteja em mim entranhado! / E depois, ainda que você me quiser, / Apagarei de minha noite até a última estrela, / Tirando do céu o seu último lume, / Para mantê-la enterrada em meu passado...” “Tudo o que restou foi a saudade / Que permeia os meus aposentos / E essa tristeza profunda que invade / Esses meus dias cinzentos / A noite libera as minhas memórias / Que se deitam junto comigo / Relembrando antigas histórias / Nas quais sou meu próprio inimigo” “Ajuda-me a derrubar / Essa invencível muralha / Que ergueste entre nós. / Como posso aceitar / Que essa perversa batalha / Insista em calar minha voz?” “Hoje, teria sido um dia como outro qualquer, / Se eu não tivesse conhecido você. / Não houve notícia de um milagre sequer, / Nenhuma catástrofe apareceu na TV. / Nenhum atirador insano saiu atirando a esmo, / Nenhum avião caiu com um time inteiro, / O terno que usarei numa festa ainda é o mesmo, / O trânsito de Goiânia é o mesmo formigueiro.” “Teus lábios vermelhos me seduzem, / E me convidam a ser teu joguete, / Enquanto os teus olhos reluzem / E minha ilusão sobe como foguete! / Meu olhar se perde em teu decote / Imenso, profundo e devastador! / Esse teu olhar queima como um chicote, / E parece implorar pelo meu amor...” “Você é meu poema predileto, / Aquele que recito todo dia, / Colhido no jardim secreto / Onde plantei minha Poesia...” “Mas se o amor que me tinhas / Fosse mesmo verdadeiro, / Não teria escrito estas linhas, / Onde me desnudo por inteiro… / Pois, se não fosse esse amor indeciso, / No qual me debati noite e dia, / Não teria sido preciso / Que eu te reinventasse em poesia...” “E lentamente, pela última vez eu me afasto, / Atormentado pelo pranto que cai dos olhos seus, / Enquanto maldigo esse dia nefasto / Em que, com o coração arrasado, eu lhe disse adeus...” “Vamos trocar alguns fluidos / De nossos corpos suados, / E por alguns meros descuidos, / Confidências de amores passados...” “As dores do amor nunca saram, / Ficam rondando por toda a vida, / Em lembranças que nunca param / De cutucar essa angustiante ferida! / E os dias seguem lhe martirizando, / E, enquanto as horas se arrastam, / O coração continua sangrando, / Enquanto duas vidas se afastam...” “O amor é um sentimento esquisito, / Ora chega de repente, ora demora anos, / Às vezes, parece quase infinito / E tem o dom de ignorar oceanos… / Por isto, eu não me esqueço de você, / E às vezes, acordo no escuro e a chamo, / Por essa memória louca que parece um clichê / De uma única vez em que me disse ‘Te amo!’...” “Tua ausência me atormenta, / Entorpece os meus sentidos, / E a minha tristeza acalenta / Esses meus sonhos proibidos.” “Que até o teu último momento / Ainda te lembres de mim / E que esse lindo sentimento / Dure até o nosso fim / Que meus versos perdurem / Além de nossa partida / Para as pessoas que procurem / Um amor além da vida” “Depois que a última chuva passar, / A Terra irá se ressecando, / Em dias cada vez mais quentes. / Quando o último rio não chegar mais ao mar, / Então o nível dos oceanos irá baixando, / E as noites se tornarão incandescentes… / Depois que secarem os últimos poços, / De nós ficarão só os ossos / E esqueletos de cidades desertas, / Restos de feridas abertas / Pela nossa ignorância, / Pela nossa beligerância, / Que destruirão este lindo planeta, / Mais do que fez um cometa, / Que nos atingiu há milhões de anos...” “O nosso amor foi atropelado / Por um caminhão / Desgovernado / E essa pobre paixão / Não resistiu ao impacto / Com a força de um furacão / Que demoliu nosso pacto / De amor eterno / E paixão infinita” “Por teu beijo, ameaçarei suicídio, / Ignorarei o que me manda a razão, / Colocarei no Youtube um vídeo / No qual devoras o meu coração! / Por teu amor, escreverei tragédias, / Aceitarei ser até o que nunca fui, / E se precisar, estrelarei comédias, / Ou um seriado que nunca conclui!” “Fiquei em seu olhar divagando, / Náufrago de seu olhar, / E quando você me percebeu / E ficou a sorrir me fitando, / Mergulhei para sempre em seu mar, / Enfeitiçado que foi meu olhar pelo seu!” “Foi de repente, como se fosse um relâmpago, / Que as trevas de minha mente se iluminaram, / Enxerguei com estranheza todo o meu âmago, / E os meus sentimentos por você ressuscitaram! / Foi com um laivo de infinita tristeza / Que percebi que nunca deixei de amá-la, / E essa minha paixão, que andava presa, / Soltou um soluço, que na garganta entala...” “Pois ando cansado dessa dor que não passa, / Dessas noites que passo no escuro e sozinho, / Dessa tristeza que chega e me arregaça, / Desse desespero que é meu vizinho...” “Hoje é Natal, / Mas é um dia bem desigual / Para os que não têm família, / Para os que vivem numa ilha, / Aos que dormem numa praça, / E nessa data não acham graça, / Aos que não têm dinheiro, / E sentem fome o dia inteiro, / E olham você carregando presentes, / E em seus olhos ausentes / Só se vêem tristeza e dor, / Pela falta de solidariedade e amor, / Pelos que passam sem nem olhá-los, / Como se fossem cachorros ou cavalos.” “Meus poros transpiram amor, / Mas tudo que ouço é silêncio! / Minha pele expele o seu suor, / E respira esse sentimento imenso… / Você está intimamente conectada / A tudo que me acontece! / Minha paixão está ligada em sua tomada, / E nunca ouvi falar em amor igual a esse...” “Ficar assim longe de você me solapa, / Nessa solidão fico vulnerável demais, / E a alegria a cada momento me escapa / Como antes de você não sentira jamais... / Mesmo com tantas portas entreabertas, / Parece que estou vivendo em uma jaula, / Onde tudo o que vejo são estradas desertas, / E quando ensinaram alegria, faltei à aula!” “Não observei então que horas eram, / Talvez meia-noite, talvez um pouco mais, / Quando ela chegou com as malas prontas, / Despediu-se e nunca mais voltou! / Afloraram inúmeras emoções, que vieram, / Represadas talvez por tempo demais, / E lágrimas furtivas, pois, no fim das contas, / Naquele momento, meu castelo desmoronou...” “Ando de vigília à tua janela, / Esperando que um dia me notes, / Tu, que és a minha musa mais bela, / Com esses olhos como holofotes! / Ando olhando para esses feixes / De luz que há muito me ofuscaram, / À espera de que um dia me deixes / Secar essas lágrimas que te legaram...” “A escuridão liberta o teu fantasma, / Que me atormenta o tempo inteiro, / Como se fosse um ataque de asma, / Nessas noites quentes de janeiro… / A noite liberta um denso nevoeiro, / E esconde a solidão que me espreita, / Aprisionado nesse sinistro cativeiro / Com seu espectro que comigo se deita...” “Eu te acho tão bonita, / A me sorrir desse jeito! / Da maneira como me fita, / Abre um buraco em meu peito...” “Nesse palco, travamos grandes batalhas, / Minha flecha encaixada em tua aldrava, / Teus olhos parecendo imensas fornalhas, / A admirar o néctar que em teu ventre jorrava… / Mas em cada batalha, não havia vencidos, / Pois éramos ambos vencedores, / Liberando a fome de nossos sentidos, / Em um filme do qual éramos os atores...” “Os anos que me restam / Serão tocados pela Poesia, / Que tem me acompanhado / Nas coisas que ainda prestam, / E que me traz inspiração todo dia, / Sempre aqui ao meu lado...” “Em meus sonhos, sempre éramos amantes, / Vivia a admirar o teu corpo perfeito, / Hipnotizado por esses teus olhos faiscantes, / Enquanto enfeitavas e incendiavas meu leito… / E hoje, esses sonhos se tornarão realidade, / Com meus beijos, aplacarei as tuas sedes / De amor e sexo, e matarei a tua vontade / De passar a noite comigo entre quatro paredes...” “Como esquecer aquela primeira vez / Em que nossos olhares se cruzaram? / Como não lembrar de tua nudez / Cada vez em que nossos corpos se amaram? / Como esquecer de tantas circunstâncias / Que envolveram nossa louca paixão? / Como não lembrar de suas fragrâncias / Tão entregues, ao alcance de minha mão?” “O mundo é um lugar muito pequeno / Para você se esconder de mim, / Você pode estar em território chileno, / Ou passeando na Costa do Marfim, / Mas seu perfume é trazido pela brisa / Até o cheiro chegar em minhas narinas, / Fugir não adianta, a Poesia me avisa, / E me leva até você por suas esquinas...” “Mas que grande desperdício / Você viver sem mim, / Imersa nesse estranho ofício / De me negar até o fim... / Como deve ser difícil / Continuar me negando enfim, / Sangrando por cada orifício, / Enquanto sorri com essa boca carmim!” “A chuva é uma bênção que o céu derrama, / Alagando as cidades, agitando os rios, / Enchendo as represas, lavando a lama, / Iluminando com relâmpagos os dias sombrios… / E eu, quieto aqui em meu apartamento, / Fico divagando sobre essa força da Natureza, / Nesse domingo que de repente ficou cinzento, / Mas estranhamente encharcado de beleza...” “Olhando essa fotografia na parede, / Que traz nós dois juntos e abraçados, / Espero às vezes que alguém me segrede / Que seus olhos na foto estão marejados!” “Contei-lhe que estava à sua espera / Sabendo que um dia a encontraria, / E que em meu coração havia uma cratera, / Que somente o seu amor preencheria... / Contei-lhe dos sonhos em que você aparecia, / Mesmo que não conhecesse ainda o seu rosto, / Mas sem o saber, você era a minha fantasia, / E minha boca ansiava sentir o seu gosto...” “Desculpe se eu me engasgar de repente, / Mas você sabe que sou meio tímido, / E vendo-a tão linda bem na minha frente, / Sorrindo-me com esse seu sorriso cálido, / Talvez as palavras de repente me faltem, / Pode ser que eu engasgue e fique sem ar, / Talvez os sentimentos por você me assaltem, / E eu tenha de tomar fôlego para continuar!” “Por isto, fica combinado assim: não te telefono, / E da mesma forma, não ligas mais para mim, / Mesmo porque jamais quis ser o teu dono, / Exceto entre os lençóis de cetim...” “A mais relevante notícia dos jornais de amanhã / Não será sobre um grande filme de terror, / Nem sobre a Paolla, o Neymar ou o Cauã, / Mas sobre o último capítulo de nossa história de amor...” “Perguntei quem era aquela mulher, / Mas ninguém a tinha visto passando, / E, exceto eu, nenhuma pessoa sequer / Vira aquela deusa passar cavalgando! / Foi quando, de repente, voltou seu cavalo, / Que passou por mim, depois disparou, / Mas não havia ninguém a montá-lo, / E minha musa nunca mais retornou...” “The darkness around you is like a curse, / And it’s slowly devouring your sanity, / But it gets worse and worse, / Eating what’s left you of humanity!”

My Sweet Orange Tree

My Sweet Orange Tree Pdf/ePub eBook Author: José Mauro de Vasconcelos
Editor: Candlewick Press
ISBN: 1536204714
FileSize: 1694kb
File Format: Pdf
Read: 1694

DOWNLOAD

My Sweet Orange Tree by José Mauro de Vasconcelos Summary

Fifty years after its first publication, the multimillion-copy international bestseller is available again in English, sharing the heartbreaking tale of a gifted, mischievous, direly misunderstood boy growing up in Rio de Janeiro. When Zezé grows up, he wants to be a poet in a bow tie. For now the precocious young boy entertains himself by playing clever pranks on the residents of his Rio de Janeiro neighborhood, stunts for which his parents and siblings punish him severely. Lately, with his father out of work, the beatings have become harsher. Zezé’s only solace comes from his time at school, his hours secretly spent singing with a street musician, and the refuge he finds with his precious magical orange tree. When Zezé finally makes a real friend, his life begins to change, opening him up to human tenderness but also wrenching sorrow. Never out of print in Brazil since it was first published in 1968, My Sweet Orange Tree, inspired by the author’s own childhood, has been translated into many languages and has won the hearts of millions of young readers across the globe.

Happy Ever After

Happy Ever After Pdf/ePub eBook Author: Nora Roberts
Editor: Penguin
ISBN: 1101444967
FileSize: 781kb
File Format: Pdf
Read: 781

DOWNLOAD

Happy Ever After by Nora Roberts Summary

Dreams are realized in the final novel in #1 New York Times bestselling author Nora Roberts's Bride Quartet. As the public face of Vows wedding planning company, Parker Brown has an uncanny knack for fulfilling every bride's vision. She just can't see where her own life is headed. Mechanic Malcom Kavanaugh loves figuring out how things work, and Parker Brown—with her endless legs—is no exception. But as a good friend of Parker’s brother, he knows that moving from minor flirtation to major hook-up is a serious step. No man has rattled Parker in a long time, but the motorcycle-riding, raven-haired Mal seems to have a knack for it. His passionate kisses always catch her off guard, much like her growing feelings for him. Parker’s business risks have always paid off, but now she’ll have to take the chance of a lifetime with her heart… Don't miss the other books in the Bride Quartet Vision in White Bed of Roses Savor the Moment

Frutos Proibidos

Frutos Proibidos Pdf/ePub eBook Author: Sylvia Day
Editor: Leya
ISBN: 9897100865
FileSize: 1481kb
File Format: Pdf
Read: 1481

DOWNLOAD

Frutos Proibidos by Sylvia Day Summary

Existem guardiões imortais que protegem os nossos sonhos. Sem sabermos, todos somos presas de obscuros inimigos que se alimentam dos nossos receios mais profundos. O capitão Aidan Cross é um desses guardiões e chega no crepúsculo, entre o sono e a consciência, para satisfazer os desejos mais secretos de Lyssa Bates. Quando se encontram nos sonhos, ela sente que nunca experienciou tal êxtase, rendida ao homem cujos enigmáticos olhos azuis prometem tentações e prazeres. Mas este estranho, este amante e sedutor imortal, não passa de um fantasma nas suas fantasias noturnas até ao momento em que aparece à sua porta, em carne e osso. Lyssa nada mais deseja do que entregar-se a ele, mas um grave perigo rodeia o capitão Aidan Cross. Ele encontra-se numa missão secreta e a paixão carnal que os consume a ambos poderá ter pesadas consequências para o mundo dos sonhos e, mais grave, para o mundo real.

A Garota Dos Arco-Íris Proibidos

A Garota Dos Arco-Íris Proibidos Pdf/ePub eBook Author: Rosette
Editor: Litres
ISBN: 504151237X
FileSize: 785kb
File Format: Pdf
Read: 785

DOWNLOAD

A Garota Dos Arco-Íris Proibidos by Rosette Summary

O encontro de duas solidões no contexto fascinante de uma vila escocesa imaginária é o ponto de partida de uma grande história de amor onde nada é como sempre. A protagonista – Melisande Bruno – é a garota dos arco-íris proibidos, capaz de ver só em preto e branco. E o seu antagonista, como também grande amor, é Sebastian McLaine, escritor relegado a uma cadeira de rodas.Melisande Bruno foge do seu passado e sobretudo recusa-se aceitar a sua diversidade: de fato, nasceu com uma disfunção especial e rara na visão que a impede de distinguir as cores e o seu maior sonho seria o de ver um arco-íris. O seu novo empregador é Sebastian McLaine, um famoso escritor de livros de terror, relegado a uma cadeira de rodas, por causa de um misterioso acidente rodoviário. Uma figura se aninha na sombra, pronta nutrir-se dos desejos de outros... Duas solidões que se cruzam, dois destinos unidos pelos seus sonhos mais obscuros, onde nada é como parece ser. Um romance de coração gótico que espera só ser lido...

A Dark Kiss of Rapture

A Dark Kiss of Rapture Pdf/ePub eBook Author: Sylvia Day
Editor: Sylvia Day, LLC
ISBN: 0982857179
FileSize: 763kb
File Format: Pdf
Read: 763

DOWNLOAD

A Dark Kiss of Rapture by Sylvia Day Summary

Of all the Fallen, Raze's hungers are some of the darkest and most insatiable. His brazen seductions cost him his wings, leaving him soulless and immortal, the most dangerous of seducers. He has roamed the earth for eons, hunting the rogues of his kind and protecting the humans who provide him with blood and sex. He is content with his life and the transient pleasures that flow through it... until one night and one woman change everything. Kimberly McAdams is smart, beautiful, and wealthy. She can have any man she wants, but the moment she sets eyes on the lethally stunning Raze she knows he's the man she needs. As one searingly erotic night burns into something deeper and far more vital than either of them expected, an adversary from Raze's past sees a chance for revenge. Twisted by hatred, she will take from Raze what was taken from her--the precious gift of love.

Olympus: Livro V - Thessalia

Olympus: Livro V - Thessalia Pdf/ePub eBook Author: Marcos Avelino Martins
Editor: Clube de Autores
ISBN: 1695348877
FileSize: 1848kb
File Format: Pdf
Read: 1848

DOWNLOAD

Olympus: Livro V - Thessalia by Marcos Avelino Martins Summary

60º livro do autor das seguintes obras, todos elas publicados no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa e digital: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS 2. PÁSSARO APEDREJADO 3. CABRÁLIA 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI 5. SOB O OLHAR DE NETUNO 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE 9. EROTIQUE 10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ 11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE 12. EROTIQUE 2 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA 15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA) 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU 17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE 18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ? 19. OS TRAÇOS DE VOCÊ 20. STRADIVARIUS 21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR 22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS 23. EROTIQUE 3 24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI 25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO 26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM 27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA 28. EROTIQUE 4 29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS 30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER 31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE) 32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE) 33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS 34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI 35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU 36. OS VÉUS DA NOITE 37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON 38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO 39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA 40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas) 41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA 42. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE) 43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS 44. OLYMPUS: LIVRO III – APHRODITE, APOLLO, EREBUS, GAIA, HERA E ZEUS 45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU? 46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA 47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI? 48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR 49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR 50. OLYMPUS: LIVRO IV – PANTHEON 51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE? 52. UM VERSO SUICIDA 53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM 54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE 55. EROTIQUE 5 56. O LADO NEGRO DA POESIA 57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO 58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS 59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO “Durou apenas alguns dias / A nossa aventura de amor, / Cheia de sonhos e alegrias, / E noites de vinho e furor...” “Depois disto, jamais / Eu voltei, / E nunca mais / Eu a amei, / Pois se partiu / A ligação que havia, / Naquela noite vil / Soube que não mais me queria...” “A lente do amor distorce / Retorce / Uma imagem retocada / Desfocada / Descolorida / Desfalecida / Como se vida tivesse / E o amor de volta trouxesse” “Por onde estiveres, meu amor te acompanha, / Em algum rincão dessa Galáxia imensa, / Mesmo em alguma estrela estranha, / Sentirás contigo a minha presença!” “Que atitude tomar para retomar a vida / Que havia antes desse sentimento opressor? / Como dominar essa sensação oprimida / Que começou com a visita do amor?” “O que é essa incrível magia / Que me faz sonhar contigo, com ardor, / Por que me despertas tanta Poesia? / Acho que chamam isto de amor...” “Foi apenas uma casualidade, / Confundir paixão com felicidade, / Talvez tenha sido uma crise da meia-idade, / Esse amor que nem sei se foi de verdade.” “Saudade é isto que me dói / De janeiro a dezembro, / Saudade é esta dor que me rói / Cada vez que de você eu me lembro...” “Você é a única estrela de minha constelação, / E até o fim da vida quero seguir navegando / Nesse seu olhar que transborda emoção, / Onde vivo me perdendo e me encontrando...” “E rastros de poemas deixou / Em seus caminhos, mas você nem nota, / Nem vê a lágrima que brota / De meus olhos, quando em você penso, / A cada vez que perco o bom senso,” “Estou por aqui, sem promessas, / Caminhando com você lado a lado, / Juntando em silêncio as peças / De seu gigantesco quebra-cabeça, / Que seguirá me torturando, / Esperando que algo aconteça,” “E vem aquele dia em que as máscaras caem / E o que parecia um amor tão lindo vem abaixo / Descobre-se que os antigos amantes se traem / E o violino Stradivarius era um contrabaixo!” “E de repente, só resta a saudade / A lembrar de momentos esquisitos, / Onde só um lado abriu a porta, / E a outra permaneceu fechada, / Mas de que afinal isto importa, / Quando se chega ao fim da estrada?” “E, quando chegar o outono, em julho, / Tomaremos, na piscina, aulas de mergulho, / Depois iremos para a praia em agosto, / Para eu encharcar de beijos seu rosto, / E ao começar o verão, em setembro, / Esquecerei seu aniversário, que nunca me lembro,” “Ao longe, vejo tua imagem, / Devagar outra vez se afastando, / Meu olhar em teu vulto naufraga, / Indo em direção ao portão de embarque, / Embarcando para a mais triste viagem, / De mim novamente se distanciando, / Marcando-me de novo essa chaga, / Que não há quem desmarque!” “Foi apenas um sonho de verão, / Que desaguou nesse inverno, / Narrado em uma triste canção / Guardada no bolso de meu terno.” “Desde o início de tudo / Estava escrito que serias o escudo / Contra todos os meus medos / Que escorrem através de meus dedos / Nessas estranhas noites solitárias / Entre tempestades contrárias / Que me enchem de pavor / Nessas madrugadas cheias de horror” “Que peça foi esta que a vida me pregou? / Como eu poderia esperar, jovem como era, / Toda aquela confusão que o amor provocou, / Todo o torvelinho que de mim estava à espera?” “Nessa estranha ampulheta / Que controla meus minutos de dor, / Gravaste com tua própria caneta / Um recado de teu bailado opressor...” “E agora, o que eu faço, / Depois de ficar tão lasso, / Tão a você entregue, / Por muito que negue, / Ainda que quisesse / Dizer que você não me enternece, / Mesmo que não queira / Ficar com você a vida inteira?” “Afinal, como esperar de ti tal reação, / Logo tu, que tanto me desprezavas? / Como poderia esperar despertar teu vulcão / E responderes que também me amavas?” “Don’t turn out the light / Let me see you at all / And your eyes’ bright / Will witness my fall” “E, no momento em que eu fizer menção de ir embora, / Será que deixarias que eu apenas me fosse? / Ou será que perguntarias, em meu ouvido, a que hora / Voltarei para provar desse teu veneno tão doce?” “O que pensava ser um amor perfeito / Estava cheio de imensas crateras, / E por isto naufragou desse jeito, / Soterrando todas as minhas quimeras.” “Por mim, você pode ir para o inferno, / Talvez arranje por lá um demônio, / Ou pode ir para a Antártida no inverno, / Ou sufocar sob a camada de ozônio!” “Nossos encontros são sempre assim / Combinamos para irmos ao cinema / Mas vou ver Tarantino em Berlim / E você Woody Allen em Ipanema” “Fui eu quem lhe fez uma serenata, / Disfarçando a voz para não saber que era eu! / Por que você me trata com uma chibata, / Será que não quer um louco para chamar de seu?” “Deixe que eu lhe conte histórias / De antigos amores famintos, / Que deixaram saudades ilusórias, / Enquanto aguço os meus instintos, / Pois o que sinto por você já é quase amor, / Mas não vá embora ainda, / Fique mais algumas horas, por favor, / Já lhe disse o quanto você é linda?” “Desse crime cruel não me arrependo, / Mas na cadeia do amor perdido, às vezes me prendo, / E enquanto isto, vou vivendo assim, / A vida toda tentando sepultar você dentro de mim...” “Quero lhe roubar um beijo valente, / Caliente, / Denso, / Imenso, / Que lhe invada as entranhas, / E revitalize sedes estranhas, / Tamanhas, / E em tuas suaves montanhas / Deixe arrepios / E vazios,” “Nessas memórias que vêm não sei de onde, / Percebo que nós dois crescemos juntos, / Brincando de amarelinha e pique-esconde, / Sempre a inventarmos novos assuntos, / Indo juntos à sessão de cinema, / Comendo pipoca e tomando refrigerante, / Aprendendo e recitando um lindo poema, / Abraçando-nos e gargalhando a cada instante.” “Que decote é esse como nunca vi igual? / Como pode um busto ser tão belo, / Encimado por esse teu olhar fatal, / E enfeitiçado por teu vestido amarelo?” “Definitivamente eu a quero, / Mas não sei dizer o quanto, / Só sei que isto é sincero, / Por muito que me cause espanto!” “Não é justo, ouvir as suas risadas, / Enquanto meus soluços disfarço, / Sem nem notar as minhas mirads, / Ou sequer o meu sorriso esparso.” “O ruim de ter esses momentos redivivos / É sofrer de novo os mesmos martírios, / Todos os fantasmas voltam a ficar vivos, / A paz que alcancei, trocada por velhos delírios...” “E depois, tiras a última peça / E não há mais nada que impeça / De nossos corpos juntarmos / E um no outro nos encaixarmos, / Num vaivém que a noite assiste, / Durante o qual nada mais existe, / Exceto nós dois.” “Depois, / Diáfana, / Divinal, / Deixou-se despir, / Despojada de dúvidas, / Desvendando-se, / Devorando-me, / Devagar, / Dilacerante, / Doida de desejo,” “Como pode entre nós resistir / Assim toda essa cumplicidade? / Como pode nesse mundo cruel existir / Um amor que não se verga à maior tempestade?” “Nossos insensatos corações, / Por diferentes razões, / Um ao outro se ofereceram, / Mas depois disto só padeceram, / Tentando resolver seus conflitos, / Calando no silêncio seus gritos,” “Por que ela teve de ir e não voltar, / E depois daquela noite não mais a vi, / Em qual estrela terá ido morar, / Será que sabe que nunca mais a esqueci?” “Ficaste pregada a mim como uma maldição. / Ou talvez seja apenas uma eternizada paixão, / Pois até hoje minhas noites escuras iluminas, / Para sempre impregnada em minhas retinas...” “Desde quando me beijaste / Com teu toque me enfeitiçaste / E acabei virando esse triste traste, / Mas como te esquecer, se em tudo ficaste?” “Quando o verão chegar, será que voltas, / Ou seguirás tua fuga, enquanto o mundo dá voltas? / Enquanto sigo minha sina, escrevendo versos, / Terás me esquecido, entre braços perversos?” “Onde / Você se esconde? / E dos trilhos do bonde / A solidão me responde, / E, esperando que a noite me sonde, / A Escuridão comigo se corresponde, / Mas, por muito que a saudade me ronde, / Sigo a lhe buscar não sei aonde, / Enquanto o amor brinca comigo de esconde-esconde...” “Depois daquela noite tão linda / O destino nos juntou / Demorou tanto a tua vinda / Mas o amor para sempre nos ligou” “Pois isto é que me diz o meu instinto, / Talvez meu olhar tenha sido traidor, / E não é só isto que por você eu sinto, / Mas, se quiser, pode chamar de amor!” “E agora eis-me aqui tão exposto / Com essas marcas de insônia no rosto / A te encarar perplexo / E a murmurar versos sem nexo / Mas agora é tarde demais / Pois não haverá nunca mais” “Eu te perdoo, amor / Por cada verso manco, / Pelas páginas em branco / Do caderno de minha vida.” “E nos alvoreceres ou nos ocasos / Abre a porteira para a próxima estrada / No fim da qual a felicidade reside / E a tristeza não tem mais lugar / Pois a sua paixão com a minha se divide / Num reino eterno onde o amor foi morar” Falemos sobre um filme do Tarantino, / Em que gastaram toneladas de sangue, / Sobre um parente que morreu de modo repentino, / Ou de uma baleia que encalhou num mangue!” “Vives atrás de mim, com o dedo em riste, / Procurando minha agenda secreta, / Sem saber que ela sequer existe, / Mas quem te mandou amar um poeta?” “Então nos entreolhamos, perplexos e ruborizados, / Você a me encarar, com um sorriso inseguro, / Porque a amizade entre nós era tudo que havia, / E perguntou, suavemente: por que demorou tanto?” “Mas não pode ser você que voltou! / Deve ser outra que usa o mesmo frasco, / E que soube dessa saudade que me devastou, / E está aqui a me lembrar do meu fiasco...” “Você não percebe meus olhares perdidos, / Quando você passa por mim requebrando, / Nem desconfia de meus sonhos proibidos, / E eles continuam, só não sei até quando!” “E o primeiro beijo acontece, / E faz tremerem nossas estruturas, / Como se fosse causado por uma prece / Que unisse num instante duas criaturas...” “Esses muros que entre nós se seguem / São praticamente intransponíveis, / Mas tuas lembranças me perseguem, / Daqueles nossos momentos incríveis!” “Nossa história teve início / E também um meio, / Mas nunca teve final, / E deixou esse indício / De um breve passeio / Pelo espaço sideral,” “Naquele dia, eu me salvei do incêndio, / Onde nosso amor em cinzas se transformou, / E depois disto, escrevi um compêndio, / Sobre essa tragédia, que tudo mudou!” “Mas é uma pena você não me querer ao seu lado, / Pois sei que no fundo de mim você gosta, / Mas não sei porque, não quer me ver nem pintado, / Você é um enigma para o qual não tenho resposta!” “Como esquecer teu corpo indomável, / De nossas noites de beijos e vinhos? / Como olvidar teu sorriso indecifrável, / Como arrancar de mim teus espinhos?” “É nesse teu olhar que eu me banho / Para me livrar das tristezas diárias / É nesse brilho que vejo o tamanho / Dessas tuas paixões incendiárias” “A tristeza não vai embora, / Seu amor é o remédio que me cura, / Mas essa solidão sempre me aflora, / E me diz que esse mal não tem cura...” “Quando pela primeira vez eu te vi, / Teu sorriso invadiu meu castelo, / Derrubando fossos e muralhas, / E indefeso, então eu me ofereci / Para defender o teu corpo tão belo / Contra todas as espadas e navalhas.” “Junte-se a mim para cultivarmos um amor imenso, / Vamos juntos descartar o bom senso, / Pois amar nem sempre traz felicidade, / E às vezes, a paixão se converte em saudade, / Quando o amor se quebra em pedaços, / Quando você se fere com os estilhaços” “A vida nos quis desse jeito, / Um ao outro fazendo companhia, / Nesse nosso amor tão perfeito, / Para sempre, eu e a Poesia...” “O que é este súbito mal / Que às vezes me acomete, / Quando te vejo chegando, / Com esse teu sorriso fatal? / O que significa isto afinal, / O que é esse fogo que me derrete, / Quando te vejo passar rebolando, / Mais abençoada do que o Santo Graal?” “Em um ambiente bucólico, / No interior de um templo católico, / Escrevi um poema melancólico, / Cheio de um teor simbólico.” “Como adivinhar que nesse interno deserto, / No qual és apenas um vulto errante, / A minha dor é espalhada pelos ventos, / E, cheio de alimento, morro de fome?” “Entre nós, existe um muro, / Que ergueste ao teu redor, / Para nós, já não há futuro, / Conheço cada tijolo de cor!” “Mas o que eu podia fazer, / Se em ti o meu olhar pernoita, / Tentando em vão te acender / O fogo que em meu peito se amoita, / Nessa paixão maldita que só faz doer?” “Por favor, não duvide / Desse amor enorme, / Que com muros colide / Nesse tempo disforme, / De relações instantâneas / Que mal captam um flagrante / E paixões momentâneas / Que só duram um instante.” “E quando você me toca, / Não me provoca arrepios, / Mas meu olhar se desloca / Para onde correm seus rios! / E quando você me sorri, / Enfim eu me arrrependo, / E confesso que menti, / Pois a você eu me rendo...” “E onde havia dois hoje há quatro / A tristeza foi só o que restou / E de nossa paixão de teatro / Só uma cortina rasgada ficou” “No instante em que nossos olhos se cruzaram, / Soube que era contigo ou com mais ninguém, / Quando nossos olhares mutuamente se encantaram, / E depois nunca mais me encantei com alguém!” “Sometimes when I’m waked / I follow dreaming of you, / And there you’re are naked / With your eyes of blue.” “Depois de uma noite eufórica, / E de um último beijo apaixonado, / Deixe-me dormir sob suas pupilas, / Iluminado pelo seu lindo sorriso! / E, se eu não despertar nunca mais, / Que jeito mais feliz de morrer...” “Há tantas nuances / Contidas em romances / Que pela vida se arrastam / De amantes que não se afastam / Entre idas e vindas / E esperanças infindas / Mensagens perdidas / Ligações interrompidas” “Nessa sinistra ciranda, / Parece que a vida espera que eu aprenda / Como me livrar dessa tristeza infinda, / O amor com minha solidão tirando onda, / Nessa desilusão tão profunda!” “Bailemos juntos por esse lindo salão / Onde a noite enluarada nos reuniu, / Nessas horas em que reina a paixão, / Numa oportunidade como nunca se viu.../ E, quando a alvorada nos separar, / Voltaremos a ser o que sempre fomos, / E nunca mais outra vez seremos um par, / Tão enamorados como hoje o somos...” “Hoje, o dia depois de ontem, / Sob as bênçãos desse lindo luar, / Aguardo que mansamente despontem / As lágrimas suaves que insistem em rolar, / Em cada noite solitária que se inicia, / Sem ter hora para terminar, / Depois de mais um longo dia, / Até que o Sol emerge do mar...” “Coloco minha melhor roupa para te ver, / Ponho um terno, passo perfume francês, / Mas sou como um livro que não queres ler / E passo despercebido de ti outra vez! / Mas não desisto, e continuo em vão a tentar, / Que um dia a te encarar teu olhar me flagre, / E com esses olhos cheios da magia do luar, / Leias enfim nos meus esse verdadeiro milagre!” “Descuidei de você, perdi seu amor, / E descobri apenas tarde demais, / Que o amor não passa de um predador, / Um navio que se recusa a deixar o cais!” “Ela me ouviu dando risada, / E quis saber se o motivo dessa alegria / Tinha alguma coisa de seu! / Respondi: queria que fosse por você provocada, / Como quis até ontem, em cada dia, / Só que nunca aconteceu! / Mas foi só um beijo apaixonado e ardente / Que a noite me deu de presente...” “E serei para sempre incompleto, / Tentando remendar esse pedaço sumido, / Que se foi, como se fosse um mero objeto, / Deixando para trás um coração ferido! / Nessa vida que desmoronou, / Minha desilusão anda em alta, / E você é o pedaço meu que falta / Pois se foi, e nunca mais voltou...” “Mas no fundo sei que não adianta / Fazer de conta que não te amo / Pois minha sede de ti é tanta / Que quando durmo eu te chamo / Inutilmente pois estás tão longe / Como seria possível estar / E minha sina parece a de um monge / Que fizesse preces a Deus e ao luar” “Só restou a saudade onde havia o amor, / E essa triste ausência de nós / Até que eu morra me assombra, / E talvez também me assombre depois! / Isto é terrivelmente assustador, / E me conduz a um fim atroz, / Num abismo onde fica essa sombra, / Que foi o que sobrou de nós dois!” “E foi assim que sempre vivemos, afinal: / Um barril de pólvora sempre a explodir, / Mesmo pelos mais insensatos motivos, / Agora aqui estamos, vendo a morte eclodir, / E este é o último instante em que estamos vivos, / E então você me beija, cravando-me o último punhal...” “Esse teu mágico olhar telepata / Todos os meus segredos desvendou, / E quando estamos juntos me arrebata / E confesso que, sem ti, nada sou...” “Talvez tenha sido num sonho poético, / Que acabou se tornando profético, / Pois aqui está você, para mim sorrindo, / Usando o seu sorriso mais lindo, / Com esse olhar cheio de promessas, / Encaixando com ele as últimas peças, / Depois de um período assustador, / De meu último quebra-cabeça de amor...” “Ali reprimidos, esperando que alguém tocasse / Com um olhar apenas aquele fogo na face, / Que em um instante inesperado se revela, / Quando surge da forma mais bela, / Puro, inocente, apenas uma crisálida, / Despertada da maneira mais cálida / Por um tão aguardado olhar sedutor, / Para se tornar a borboleta que chamam de amor...” “A paixão deixa cicatrizes como um açoite, / Que se compraz em deixar suas marcas, / O amor chega do mar junto com a noite, / E nos leva a passear em suas barcas...” “Onde foi que você deixou / A felicidade que me escondeu, / Para onde foi que você levou / O beijo de amor que nunca me deu? / Onde foi que você cravou / O prego que de meu peito recolheu, / Por onde foi que você espalhou / As folhas do livro que você nunca leu?” “Eu te amo, mas não te quero, / Sei que parece loucura, / Mas é assim que me sinto, / E nada acontece como espero, / Sua presença me tortura, / Longe de você fico faminto!” “E, nesse passeio lindo que saboreamos, / Faz de conta que sou o seu cavaleiro andante, / Cavalgando num dragão aéreo, / Enfrentando com coragem o uivo dos ventos, / Desfilando esse amor que se tornou um mito, / A bordo desse lindo balão etéreo, / Que desafia cumulus nimbus cinzentos, / E a leva sem destino rumo ao infinito...” “Ando tendo pensamentos impuros / Em relação a ela / Sonhando em vê-la em quartos escuros / E com sua lingerie amarela / Quem sabe se mostrar minha expertise / Em escrever poemas românticos / Ela se anime a me fazer um strip-tease / Seguido de beijos quânticos” “Não sei como curar essa cegueira, / Que faz com que você não note / Como vê-la me provoca uma tremedeira, / E que um novo poema de repente me brote...” “Esses pingos de chuva na janela / Sempre fazem que me recorde dela / E dos riscos molhados em sua face, / Esperando que seu amor retornasse.” “Porque este era o nosso destino / Inexplicável como os grandes amores o são / Quando não se acabam num desatino / Mas numa incontrolável paixão / Como essa nossa aventura em carne e osso / Cujas lembranças em mim para sempre ficaram / E por alguns dias saudosas marcas no pescoço / E outras na alma que nunca mais se apagaram” “É tua a culpa / Por meus olhos inchados, / Pela lassidão que ocupa / Os meus membros cansados. / São por tua causa / Esses poemas que escrevo, / Sem nenhuma pausa, / Onde minha dor descrevo.” “Quantos segredos precisarei descobrir? / Quantos brontossauros renascerão no mar, / Quantos unicórnios deverão ressurgir, / Quantos sonhos enterrará este sonhador, / Quantos poemas deverei escrever para ti somente? / Será que para ver brotar em ti o amor, / Será preciso que eu te reinvente?” “Esse nosso encontro, por Deus programado, / E não me olhe como se disto descresse, / Pois esse olhar fatal entre nós estava marcado / E um dia teria mesmo de acontecer, / Pois em meus sonhos eras onipresente, / E eu tinha certeza que um dia te encontraria, / E, hoje, que o céu te enviou para mim de presente, / Não negues que eu te encaixe para sempre em minha Poesia!” “Por que não me medicas / Com uma transa vibrante? / Por que não me suplicas / Para ser para sempre teu amante? / Por que não me replicas / Com um abraço sufocante? / Por que não classificas / De amor nossa aventura errante?” “Joguei para o ar tantas quimeras, / Que alçaram voo, e não voltaram, / Vi fugirem tantas primaveras, / Onde as flores que amava não voltaram...” “Nesses teus olhos cravejados de astros, / Meu olhar poético passeia, sonhador, / Tentando encontrar os doces rastros / De algum perdido rastilho de amor... / Mas esses teus olhos sedutores / Ocultam bem de mim seus segredos, / E parecem não perceber que são causadores / Dos versos que se derramam de meus dedos...” “Essa fonte que agora ouço murmurar / Versos e canções tão belas e tristes, / Descubro que de teus olhos está a jorrar, / Vertendo essa dor da qual não desistes. / E quando essa suave fonte seca, / Então o silêncio de novo impera, / E a noite estupefata vem e checa / Por que insistes nessa inútil espera.” “Em meio àquela tempestade terrível, / Aquele seu sorriso enorme me cativou, / E parei em sua frente, debaixo da chuva, / Olhando para você sem dizer nada, / Hipnotizado de uma forma incrível, / E comprovei que você me enfeitiçou, / Quando seu beijo me vestiu como uma luva, / E invadiu meus sonhos desde a sua chegada...” “E, ao fim desses loucos passeios, / Você me leva para o seu quarto, / E desnuda devagar os seus seios, / Dos quais jamais ficarei farto! / O mundo joga seus dados soturnos, / Enquanto a mim você se rende, / E, nesses nossos jogos noturnos, / A Poesia, ruborizada, conosco aprende!” “Por que você não deixa / De sugar todo o meu sangue, / Deixando-me assim exangue, / Murcho como uma ameixa?” “Pois fico atrás de você, submisso, / Esperando para você me dar mole, / Mas só você ainda não sabe disso, / Não vê meu olhar que a você engole, / Nem o meu sorriso de presa fácil, / Esperando a chance para lhe dar o bote, / E colocá-la como rainha em meu palácio, / Onde seu olhar brilhe como um archote,” “O Mal está por aí à espreita, / Os olhos dele são implacáveis, / A tragédia conosco se deita, / Nessas noites inexplicáveis! / Caçadores andam pelas noites / Atrás de suas presas humanas, / Amantes portam balas e açoites / Debaixo de suas camas profanas!” “Senti-me como se estivesse sonhando acordado, / Flutuando entre nuvens em plena rua, / No meio de um trânsito caótico e assustador, / Mas tudo o que via eras tu ao meu lado, / Encantando-me com cada risada tua! / Serão esses os sintomas do amor?” “Só tu me deixas assim, / Tão perto do abismo / E tão distante de mim; / E teus olhos cheios de lirismo / Os meus sonhos pervertem, / E para ti os leva, / Enquanto meus olhos vertem / Esse amor que me subleva” “Depois dessa noite, exaurida, / Você iria se arrepender / De nunca ter me querido em sua vida, / Até perceber o que iria perder. / Mas aí, já seria tarde demais, / Pois não quero com você ter um caso, / Apenas uma vez, depois nunca mais, / Mesmo se depois nos encontrarmos por acaso.” “Talvez um dia / Quando eu já houver partido / Você descubra os poemas proscritos / Onde lhe revelo todo o amor que sentia / Por esses versos frágeis vertido / Nos doces sentimentos por você ali descritos...” “Acreditarias se eu te confessasse / Que sou um escravo da saudade? / Corresponderias se eu te beijasse, / Como morro de vontade?” “Agora me repreendo, como posso ter sido / Desta forma tão cego e tolo, / Como pude não ter percebido / Aqueles teus tantos sinais? / Mas isto não me serve de consolo, / Pois não te verei nunca mais...” “Como duvidar que o amor existe / Se eu o vejo todos os dias? / Como duvidar que o amor resiste / Às tempestades mais sombrias?” “Arranjei uma nova tática / Para chamar a tua atenção / Mas não sei se é prática / E se tem alguma razão / Essa ideia errática / Que já me trouxe aflição / Pois depois que fizeste plástica / E ficaste com esse corpão / Mesmo com minha mente elástica / Corro o risco de levar um bofetão” “Qual é o teu doce mistério / Por que me encantas? / Eu que era tão sério, / Não sei porque me espantas / E em teu rastro me levas, / Como é que me fazes / Confrontar minhas trevas / Com teus olhos audazes?” “Kiss my lips / Like you never did / Make a little apocalypse / That you had always forbid” “Tudo o que me resta / É fazer de conta / Que não mais a quero, / Mas uma lágrima como esta / Que dos meus olhos desponta, / Tonta, revela que não sou sincero...” “Já não há mais chance de salvação, / Inoculamos raiva por simples contágio, / A insensatez tomou o lugar da razão, / Mesmo antes do derradeiro naufrágio!” “Adeus, meu derradeiro amor, rasgue esses versos, / Depois de ler esse desesperado e último apelo, / Uma triste despedida, antes dos dias perversos, / Pela frente, até que a morte encerre esse pesadelo!” “Mesmo que por esse beijo me condene, / Lembrarei dele eternamente, pois sei / Que será uma lembrança perene / Do único beijo que um dia lhe dei...” “Num instante se desfez em pó / Tudo o que entre nós existia, / E cada um de nós ficou só, / Como antes era tudo que havia!” “Quem sabe o remédio esteja ao meu alcance, / E baste um sorriso seu para me medicar, / Ou um olhar devastador, mesmo de relance, / Seja tudo de que preciso para me curar?” “Nunca te disse o quanto me encantas, / E sonho em juntar nossas línguas sedentas, / Para fazer com que por horas sintas / Todo o prazer que nunca me contas, / E responder o que não me perguntas...” “Onde mais eu poderia encontrar / Tanta força para me redimir? / Nos braços de quem iria acordar / Antes desse submarino partido submergir?” “Olhei para você e pedi desculpa, / E você respondeu que era só o destino / E que nenhum de nós dois tinha culpa, / Aquele brilho a jorrar de seu olhar cristalino! / Não percebi e nem liguei quando meu voo partiu, / De tão tomado que estava por tanta paixão, / Pois encontrei um amor como nunca se viu, / E tudo aconteceu num bendito esbarrão...” “E, nesses momentos onde fico tão frágil, / Tudo o que eu queria era lhe dar um abraço / E um beijo que lhe transmitisse amor por contágio, / E então lhe confessar que, sem você, nada faço!” “Vacinei-me um dia contra você, / Mas a vacina deu efeito contrário, / Pois as cepas inoculadas de seu vírus / Destruíram de uma vez, não sei porque, / Minhas defesas contra esse amor lendário, / Contra o qual foram inúteis juras e tiros!” “Vendi um pouco do amor que não tenho, / E entreguei apenas uma parte, / Pois do lugar de onde não venho, / Enganar é uma forma de arte.” “És para mim um enigma sem solução, / Não encontro a resposta para essa charada, / Sempre que me vês, dás sinais de irritação, / Mas quando não estou olhando, sinto tua mirada!” “E, quando éramos adolescentes, / Algo então começou a mudar, / Você já não era minha amiga somente, / Andávamos de mãos dadas sob o luar...”

Acrosticando Poesias

Acrosticando Poesias Pdf/ePub eBook Author: Miranda De Moura
Editor: Clube de Autores (managed)
ISBN:
FileSize: 1117kb
File Format: Pdf
Read: 1117

DOWNLOAD

Acrosticando Poesias by Miranda De Moura Summary

Este é um livro de poesias escrito em forma de acróstico. Acróstico é um gênero de composição geralmente poética, que consiste em formar uma palavra vertical com as letras iniciais ou finais de cada verso gerando um nome próprio ou uma sequência significativa. Pode ser simples, com frases ou palavras que não tenham ligação entre si ou pode mesmo, ser o encerramento de uma poesia.

Remember Me

Remember Me Pdf/ePub eBook Author: Lesley Pearse
Editor: Penguin UK
ISBN: 0141907851
FileSize: 1561kb
File Format: Pdf
Read: 1561

DOWNLOAD

Remember Me by Lesley Pearse Summary

Discover the moving novel based on a true story about a woman triumphing against overwhelming odds, from the international bestseller Lesley Pearse She made one mistake, and now she'll never see home again . . . Mary, a Cornish mariner's daughter, makes the biggest mistake of her short life when she steals a silk hat. Convicted and sentenced to be transported to Australia, she endures horrific conditions aboard ship before landing in a brutal and barbaric country. It will take all her courage just to survive. But Mary is also determined to make something of herself in this rugged man's world. And she dreams that one day she will find a way of crossing the cruel seas that lie between her and home . . . _________ 'With characters it is impossible not to care about . . . this is storytelling at its very best' Daily Mail 'An emotional and moving epic you won't forget in a hurry' Woman's Weekly 'Utterly riveting, brilliant' Closer

Sonhos da diamba, controles do cotidiano

Sonhos da diamba, controles do cotidiano Pdf/ePub eBook Author: Jorge Emanuel Luz de Souza
Editor: SciELO - EDUFBA
ISBN: 8523220232
FileSize: 872kb
File Format: Pdf
Read: 872

DOWNLOAD

Sonhos da diamba, controles do cotidiano by Jorge Emanuel Luz de Souza Summary

A cannabis sativa, chamada popularmente de maconha, tem hoje seu cultivo e consumo proibidos no Brasil. Sua legalização vem sendo discutida em diversos meios de comunicação, entre juristas e médicos, políticos e eleitores. Neste livro, o autor revira arquivos históricos, a fim de investigar a forma com que a guerra às drogas e a proibição da erva afetou a sociedade brasileira na história recente. O texto reflete a política higienista adotada pelos governos ao longo dos anos, reavaliando o pensamento proibicionista da droga.

Dangerous Dream: A Beautiful Creatures Story

Dangerous Dream: A Beautiful Creatures Story Pdf/ePub eBook Author: Kami Garcia,Margaret Stohl
Editor: Little, Brown Books for Young Readers
ISBN: 0316405019
FileSize: 1309kb
File Format: Pdf
Read: 1309

DOWNLOAD

Dangerous Dream: A Beautiful Creatures Story by Kami Garcia,Margaret Stohl Summary

The #1 New York Times bestselling Beautiful Creatures series continues in this brand-new digital-exclusive story. Catch up with Ethan, Lena, and Link as they finally graduate from high school and get ready to leave the small Southern town of Gatlin. But when Dark Caster Ridley makes an appearance, the sometime bad girl can't resist picking a fight with her sometime boyfriend, Link. Angry and rebellious as ever, Ridley ends up alone in New York City and becomes entangled in the dangerous underground Caster club scene, where the stakes are high and losers pay the ultimate price. Where's a Linkubus when you need him?

Father Unknown

Father Unknown Pdf/ePub eBook Author: Lesley Pearse
Editor: Penguin UK
ISBN: 0141924608
FileSize: 1819kb
File Format: Pdf
Read: 1819

DOWNLOAD

Father Unknown by Lesley Pearse Summary

From the internationally bestselling author Lesley Pearse comes a moving story of family, adoption and identity Losing her adopted mother threatens all she's ever had . . . Daisy was adopted. But when her mother dies, she finds her secure existence thrown into turmoil by the discovery of a scrapbook. Inside it is information about her real mother. However, when Daisy drops everything to go in search of her roots, she uncovers a harrowing story of greed, misery and corruption. She also risks hurting her adored Dad, the only true family she has left. Can she cope with the truth about her real parents? And more importantly, who is the real Daisy? ___________ 'With characters it is impossible not to care about . . . this is storytelling at its very best' Daily Mail 'Lose yourself in this epic saga' Bella 'An emotional and moving epic you won't forget in a hurry' Woman's Weekly

Poemas Picantes

Poemas Picantes Pdf/ePub eBook Author: Elio
Editor: Clube de Autores (managed)
ISBN:
FileSize: 1761kb
File Format: Pdf
Read: 1761

DOWNLOAD

Poemas Picantes by Elio Summary

Elio Moreira – Léia Tais POEMAS PICANTES Neste livro. Poemas afloram livremente na realidade de um querer. Deixando esclarecido na forma de escrever e abertamente nos disseres que somos dois eternos enamorados. Elio MoReira - Léia Tais Poetas que escrevem e falam de amor – O seu amor- Em um estilo apaixonado e ardente. Dois poetas que de uma forma ou de outra Sempre estiveram ligados entre si na busca de seus próprios ideais. Dois poetas de almas apaixonadas Deixando transparecer claramente a essência Que envolve e sustenta a vida em seus corações. Onde os autores em seus versejar deixam fluir Com naturalidade toda a beleza de uma vida Que se faz representar pela sensibilidade. Em seu poetar o elevado senso De como é sublime deixar-se envolver Pela magia encantada que traz em si a pureza E a grandiosidade de um doce amor. Em cada poema a descrição do carinho recebido e emitido. Duas vidas. Uma única poesia. ***